sábado, 24 de março de 2012

Artista da imagem


***

Fotos a preto e branco! Fotos de fotógrafo qualificado. Fotos de fotógrafo amador. Ambos apaixonados pela arte de retratar. Procura da luz pura, que não ofusca mas que ilumina. Procura da postura correta que é corrigida com pequenas indicações ou alguns movimentos até à composição humana estar perfeita. Escolha de paisagens naturais marinhas... Encontro com a vida agitada e apressada da cidade...
O fotógrafo é o artista da imagem. A sua arte traduz a sua filosofia de vida e o seu amor pelo belo. Munido da sua máquina fotográfica, que leva sempre onde quer que vá, capta o real. Esse real que nos cerca: os nossos familiares e amigos, um evento social, uma exposição, um cenário de paz ou de guerra. E fá-lo sem receio, pois a palavra censura não faz parte do seu rolo fotográfico (quando ainda existiam...), da sua objetiva atenta e perspicaz, da sua eterna busca da autenticidade.
Onde quer que os seus passos o conduzam, não deixa nunca de se deixar seduzir pelo ser humano e os seus comportamentos, os seus artefactos... Depois de um número significativo de instantâneos tirados avidamente, sabe bem revelá-los aos seus olhos de artista. É um momento de alquimia...
Antes as fotos eram reveladas em papel fotográfico e nenhum erro podia ser corrigido. Hoje, graças às novas tecnologias, basta tirar o cartão da máquina, inseri-lo no computador e transferir as fotografias para uma nova pasta. Pode-se optar por não revelar as fotos, eliminar imediatamente aquelas de que não se gosta e gravar as melhores e até partilhá-las. É tudo tão mais simples!...
Ainda somos do tempo, como se esta expressão fosse importante neste momento e neste texto escrito nas horas nocturnas, em que temos registos pessoais, sobretudo retratos nossos e de família, a preto e branco. Sempre gostei dos álbuns de fotografia, dos albúns de família... Não pelas pessoas, porquanto não as conhecia todas, mas pelo álbum em si. As capas de veludo ou de pele trabalhada eram a primeira porta para uma viagem ao passado, por vezes, distante. Eram uma porta mágica que, uma vez aberta, me conduzia a um verdadeiro tesouro de poses estudadas, sorrisos discretos nas senhoras, extremamente solares nas crianças. Cada fotografia contava uma história ou histórias. Quase sempre a preto e branco.
Gostava sobretudo de voltar as páginas porque entre elas havia uma folha fina a separá-las e nelas podia sentir o perfume dos lilases e das violetas que se encontravam em pequenos saquinhos, nas gavetas dos armários e cómodas. Era todo um mundo de rostos e histórias...


PS: A foto de elétrico é da autoria de F Nando

8 comentários:

F Nando disse...

Uma bela homenagem a quem faz da imagem uma forma de ser e de estar na vida, seja de uma forma amadora ou profissionalmente...
Bjs

▒▓█► JOTA ENE disse...

Adoro o P&B. Por incrivel que pareça realça mais a foto. Particularmente peco por não explorar esse factor nas minhas fotos :(

Bom domingo!

Natália Augusto disse...

Obrigada, Fernando.

Beijos

:)

Natália Augusto disse...

Olá JOTA ENE,

estive a ver o seu blogue de fotos e gostei bastante delas.

Pode fazer experiências a P&B e verá que as suas fotos ganham com isso.

Bom domingo!

mfc disse...

Uma escrita escorreita, evocativa e nostálgica.
Um texto muito bem conseguido que nos transporta a uns tempos que não voltam mais...
Uma retrospectiva que nos torna também reféns da nostalgia.

Carlos Sameiro disse...

Boa noite

Sem dúvida que fotografar é uma arte, sendo fotografo amador ou fotografo profissional.Num trabalho fotográfico, que realizo no meu blog Perspectivas e Momentos, entendo que fotografar pode ser perspectiva, porque posso visualizar um lugar ou monumento de várias maneiras, de frente, de lado, ao longe, ao perto, de dia...
Momento, é um momento único de captar o que vejo, mas também pode ser colectivo, porque esse momento vai ser partilhado por outra pessoa.Ao fotografar um monumento ou um lugar, o mesmo é história, cultura, social... Esse momento também é feito por pessoas.
Esta é a minha opinião.

O blogue continua fantástico, bons textos, bonitas fotografias e muito mais.

Aquele abraço
Carlos Sameiro

Rafeiro Perfumado disse...

Eu sou um purista no que toca à fotografia, e admiro muito mais um momento fortuito do que aqueles trabalhos elaborados no photoshop, que retiram a essência à arte de fotografar. Quanto à foto, o F Nando tem efectivamente olho.

Beijoca!

Teresa disse...

Tens razão, o fotógrafo é o artista da imagem. Tal como o pintor, mas de outra maneira. Hoje, é mais fácil fotografar, mas banalizou-se um pouco o acto em si. Já não tem a magia das velhas imagens dos álbuns de família, de que falas.
Bjs